Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

NOTÍCIAS

Bancários rejeitam proposta dos bancos. Nova rodada acontece dia 17

08/08/18

Bancários rejeitam proposta dos bancos. Nova rodada acontece dia 17

Em Assembleia dia 08 de agosto no sindicato dos metalurgicos os bancarios rejeitaram a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Os bancos sinalizaram a inflação nos salários, PLR, vales e demais verbas econômicas, sem aumento real na mesa de negociação, realizado dia 07 de agosto em São Paulo. Também não garantiu que os bancários não serão substituídos por trabalhadores contratados de forma precarização, a exemplo da terceirização. Os bancos querem alterar cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Entre as principais reivindicações da categoria estão: reajuste da inflação (ainda não fechado índice), aumento real de 5% para salários e demais verbas; manutenção de todos os direitos, e cláusula prevendo que as novas modalidades de jornada e contratações da lei trabalhista só poderão ser feitas por meio de negociação com os bancários e ainda a defesa do emprego e dos bancos públicos – Caixa e BB – ameaçados de privatização entre outros. “A categoria não aceita uma proposta sem aumento real, manutenção dos direitos e sem a garantia de que os bancários não serão substituídos por formas de contratação precarizadas.”, explicou o presidente do Sindicato dos Bancários de Criciúma e região, Valdir Machado da Silva. Conforme ele, além de não querer dar aumento real, os bancos já disseram que vão retirar a cláusula da CCT que possibilita o abono ou compensação dos dias parados de greve. A próxima rodada de negociação ficou agendada para o dia 17 de agosto. As rodadas começaram dia 28 de junho. São cerca de 60 agências e PABs distribuídos nos 10 municípios de base do Sindicato: Criciúma, Içara, Balneário Rincão, Morro da Fumaça, Forquilhinha, Cocal do Sul, Urussanga, Siderópolis, Nova Veneza e Treviso com um total de 850 bancários. A data-base é 1º de setembro. LUCROS: Os cinco maiores bancos tiveram lucro de R$ 77,4 bilhões em 2017 e apenas com a receita obtida com tarifas de serviços bancários conseguem cobrir todos os gastos com o pessoal em 140%.