Eleições Cassi: Contraf-CUT apoia chapas 6 e 33

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) declarou apoio às chapas 6 e 33 nas eleições na Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi), para os cargos da Diretoria de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, que acontecem entre 15 e 25 de março.

Três grupos disputam o pleito para os mandatos que vão de junho deste ano a maio de 2028. Entre eles está o grupo Cassi para os Associados, da chapa 6 (para Conselho deliberativo e diretoria de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes) e chapa 33 (para o Conselho Fiscal).

No material de campanha, as chapas 6 e 33 destacam o pedido de apoio das trabalhadoras e dos trabalhadores do BB para “uma assistência melhor” aos associados e associados da Cassi, “com os mesmos ideais daqueles que lutaram pela criação e consolidação da solidariedade” na caixa de assistência, fundada em 1944.

“As chapas 6 e 33 – Cassi para os Associados – têm histórico de luta em defesa do funcionalismo e se comprometem com os princípios da solidariedade e sustentabilidade, para que todos os funcionários, da ativa ou aposentados, pensionistas ou oriundos dos bancos incorporados, tenham direito ao Plano de Associados e uma assistência cada vez melhor”, pontuam os candidatos em material de campanha.

Aumentar a representatividade dos associados

Com o apoio às chapas 6 e 33, a Contraf-CUT defende a ampliação da representação dos trabalhadores dentro da Cassi. Nas últimas eleições, realizadas em 2022, membros do movimento Cassi para os Associados venceram o pleito para as diretorias de Risco Populacional, Saúde e Rede de Atendimento e para cadeiras nos conselhos Deliberativo e Fiscal.

Mas ainda existe na entidade grupo que, nos últimos anos, implementou uma gestão onde as representações do banco e dos associados acabaram se confundindo, favorecendo os interesses do banco, como explica Alberto Alves Junior, candidato da chapa 6 para Diretoria de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes:

“Exemplo disso foi a luta que enfrentamos dentro da Cassi, para derrubar o gatilho de coparticipação, que poderia entrar em vigor este ano e sobreonerar o plano para os associados. Vimos neste embate parte dos membros de conselhos propondo a manutenção do gatilho. Mas, felizmente saímos vitoriosos, e o gatilho foi derrubado em dezembro passado”.